A taxa de inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) em janeiro foi a menor para o mês desde 1994, quando foi criado o Plano Real, informou na manhã desta quinta-feira, 19, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O IPCA-15 registrou alta de 0,31% em janeiro, após subir 0,19% em dezembro. Em janeiro de 2016, a inflação havia sido de 0,92%. Como resultado, o IPCA-15 acumulado em 12 meses diminuiu de 6,58% em dezembro para 5,94% em janeiro – a menor taxa desde março de 2014, quando estava em 5,90%.

As despesas das famílias com alimentação aumentaram 0,28% em janeiro, segundo os dados do IPCA-15. Os preços vinham registrando recuo por quatro meses consecutivos: setembro (-0,01%), outubro (-0,25%), novembro (-0,06%) e dezembro (-0,18%), informou o IBGE.

Houve pressão dos alimentos consumidos em casa, que subiram 0,21% em janeiro, após uma redução de 0,45% em dezembro. Segundo o IBGE, os aumentos não foram generalizados, mas atingiram itens importantes e de forma significativa, como óleo de soja (8,04%), farinha de mandioca (4,53%), ovos (3,10%) e frutas (2,38%).

Outros produtos que vinham ficando mais baratos diminuíram o ritmo de queda nos preços, como a batata-inglesa (de -15,78% em dezembro para -10,85% em janeiro), feijão carioca (de -17,24% para -13,74%) e leite longa vida (de -5,40% para -1,96%).

O grupo Alimentação e bebidas saiu de uma contribuição negativa de 0,05 ponto porcentual sobre o IPCA-15 de dezembro para uma pressão de 0,07 ponto porcentual em janeiro.