Até o final da próxima semana, técnicos da Gerência de Pré-Medidos (Gemed), do Instituto de Pesos e Medidas do Paraná (Ipem/PR), avaliarão quantitativamente pelo menos nove itens que compõem a cesta básica do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), que, em Curitiba, no mês passado, fechou em R$ 219,28.

A intenção é verificar se a quantidade informada nas embalagens de produtos fechados condiz com a realidade. Além de Curitiba, a fiscalização está sendo feita em Londrina, Maringá, Cascavel e Guarapuava, bem como nos municípios próximos dessas cidades.

Dentre os produtos que compõem a cesta básica do Dieese, estão sendo fiscalizadas embalagens de carne, feijão, arroz, leite, farinha de trigo, café, açúcar, óleo e manteiga.

“Trata-se de uma análise de quantidade, que verifica exclusivamente as embalagens desses produtos feitas por terceiros. A cesta básica do Dieese contempla ainda frutas e verduras, mas estas não foram aplicadas por serem vendidas a granel”, afirma o gerente da Gemed, Sérgio Camargo.

Para o economista Sandro Dias, do Dieese, a avaliação é de extrema importância para a população. “Isso garante ao consumidor que aquilo que ele paga é realmente o que ele está levando para casa. Em produtos como papel higiênico e barra de chocolate, por exemplo, verificamos essa redução sem aviso recentemente”, diz. “Os consumidores não têm condições de aferir isso diariamente. A fiscalização traz essa garantia”, ressalta Dias.

Caso seja encontrada irregularidade em algum produto, a empresa terá 10 dias para apresentar defesa prévia que, se não for convincente, gera uma multa que pode partir de uma advertência até R$ 1,5 milhão.