O custo de capital dos bancos deve crescer com a implementação das novas regras de capital batizadas de Basileia III, de acordo com José Berenguer, presidente do JPMorgan. “Várias instituições buscarão capital no mesmo momento. Haverá uma seleção maior e uma reprecificação das operações, com encarecimento do crédito longo”, avaliou ele, durante palestra no 3º Congresso Internacional de Gestão de Riscos, promovido pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

Na visão do executivo, as regras de Basileia III, estabelecidas como uma resposta à crise financeira e bancária iniciada em 2008, resumem-se em maior exigência de capital e restrição na gestão de liquidez. A nova regulamentação, segundo ele, vai exigir mais capital e com diferentes características para as operações de crédito realizadas pelos bancos. “Um banco quebra por liquidez e não por falta de capital e é isso que Basileia III tenta endereçar”, afirmou Berenguer.

Com Basileia III, de acordo com o executivo, a participação do governo no salvamento de instituições bancárias será menor ao passo que será exigida maior presença dos depositantes dos bancos. Neste contexto, ele citou a importância do conceito de “bail-in”, que significa a conversão de alguns tipos de depósitos em capital.

“É uma inovação importante que está sendo trazida nos últimos meses em função da crise de 2008 e exigirá que, em caso de problemas com instituições, os depositantes sejam responsabilizados e contribuam com seus depósitos em capital, além dos fundos garantidores, como o Fundo Garantidor de Crédito (FGC) no Brasil”, avaliou o presidente do JP.

Ele ressaltou ainda a necessidade de os bancos adequarem seus ativos e passarem a captar a prazos mais longos. No entanto, disse que os instrumentos já existentes, como as letras financeiras, são suficientes, não sendo necessários novos mecanismos.