Os juros cobrados pelos bancos no cheque especial e nas operações de empréstimo pessoal aumentaram de fevereiro para março, segundo pesquisa da Fundação Procon-SP realizada nos dias 7 e 8 deste mês em dez instituições financeiras. No cheque especial, a taxa média aumentou 0,07 ponto percentual, de 8,12% para 8,19% ao mês, maior patamar de juro desde dezembro de 2003, quando estava em 8,20% ao mês.

No caso do empréstimo pessoal, a taxa média passou de 5,25% para 5,34% ao mês, atingindo a maior marca desde fevereiro do ano passado (5,35% ao mês).

No cheque especial, de acordo com o Procon, os três maiores aumentos foram verificados no Unibanco (de 8,17% para 8,36% ao mês), no Santander/Banespa (de 8,20% para 8,35%) e na Caixa Econômica Federal (de 7,48% para 7,59%). Nenhum dos dez bancos consultados promoveu redução no juro do cheque especial de fevereiro para março.

Na avaliação dos técnicos do Procon, o aumento das taxas médias observado na pesquisa de março ?só veio confirmar? a tendência de alta iniciada em outubro do ano passado.

Empréstimo pessoal

As três maiores altas no empréstimo pessoal foram verificadas na Caixa Econômica Federal (de 4,49% para 4,99%), no Unibanco (de 5,70% para 5,85%) e no Bradesco (5,66% para 5,76%). De acordo com dados do Procon, o único banco que reduziu a taxa de empréstimo pessoal foi o HSBC, de 5,15% para 5,13% ao mês.

Os dados coletados pelo Procon referem-se às taxas máximas, pré-fixadas, cobradas pelos bancos. Como as taxas variam de acordo com o prazo, a pesquisa coleta dados das operações realizadas em 12 meses. Já para o cheque especial foi considerado o prazo de 30 dias.

Dos dez bancos pesquisados, 50% aumentaram suas taxas no cheque especial e 60%, no empréstimo pessoal. Os bancos pesquisados foram o HSBC, Banespa, Bradesco, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Itaú, Santander, Nossa Caixa, Real e Unibanco.