As operações de compra e venda de ativos em um mesmo dia (day trade) dominaram o mercado de juros nesta segunda-feira (6), com a volatilidade do setor externo represando a formação de aplicações financeiras mais prolongadas. Os mercados de ações foram o foco durante todo o dia, e as taxas dos contratos de juros negociado na Bolsa de Mercadorias & Futuros operaram em linha com as melhoras e pioras das bolsas de valores.

O contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2010, que reflete com mais fidedignidade a aversão dos investidores estrangeiros ao risco, terminou o dia com taxa de 11,34% ao ano, ante taxa de 11,29% ao ano projetada no encerramento dos negócios na sexta-feira. A taxa do DI para janeiro de 2009 ficou em 11,14%, contra 11,12% na semana passada.

Por volta das 16 horas (de Brasília), o índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, registrava ganho de 1,27%. A Bolsa de Valores de São Paulo, contudo, caía 0,12%.

O nervosismo com os problemas no mercado de crédito seguiu pautando o dia. A American Home Mortgage, uma das 10 maiores empresa do setor de crédito imobiliário dos EUA, pediu concordata.

Enquanto a volatilidade se mantiver nos Estados Unidos e na Bovespa, o mercado de juros tenderá a deixar de lado os dados econômicos brasileiros, ainda que positivos.