O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Jack Lew, alertou hoje ao Congresso, em discurso previamente preparado feito na Comissão de Finanças do Senado, que o governo enfrentaria escolhas “perigosas” nas próximas semanas se o limite de endividamento do país não for elevado, marcando o último – e talvez mais desesperado – apelo aos parlamentares para evitar que o governo precise dar um calote nas suas dívidas.

Lew previu que o Departamento do Tesouro americano terá apenas US$ 30 bilhões em caixa para pagar suas contas no dia 17 de outubro, montante que poderá durar apenas uma ou duas semanas se o teto da dívida não for elevado.

O secretário foi cauteloso ao não revelar como o Tesouro irá proceder se o limite de endividamento do governo não for aumentado a tempo. Ele não descartou, por exemplo, pedidos de alguns republicanos para fazer o pagamento de juros aos detentores de Treasuries antes de outras obrigações do governo, mas disse que tal decisão ainda teria um impacto desastroso sobre a economia.

“Não há uma forma de saber o prejuízo irrevogável que tal abordagem teria sobre nossa economia e mercados financeiros”, afirmou.

Além do custo econômico da paralisação do governo, a incerteza em torno da elevação do teto da dívida está começando a estressar os mercados financeiros, disse o secretário. Ele observou que os yields das T-bills do Tesouro com vencimento na segunda quinzena de outubro e no começo de novembro já ultrapassaram os picos de vencimentos semelhantes afetados em julho de 2011.

“No nosso leilão de T-bills de quatro semanas, na terça-feira, a taxa de juros quase triplicou em relação ao leilão da semana anterior e atingiu o maior nível desde outubro de 2008”, disse Lew. Segundo ele, o governo dos EUA rola aproximadamente US$ 100 bilhões por semana em títulos. “Se os detentores de bônus do país decidirem que querem ser pagos em vez de continuarem a rolar nossa dívida, nós poderíamos zerar inesperadamente todo nosso caixa”, previu Lew.

O secretário do Tesouro destacou que o governo federal americano tem vários pagamentos grandes que vencem logo após o dia 17 de outubro, “quando já teremos exaurido nossa autoridade para endividamento e teremos apenas o caixa (do governo) para honrar nossas dívidas”. Entre 17 de outubro e 1º de novembro, alertou Lew, o governo também enfrentará grandes pagamentos aos fornecedores do Medicare, pensionistas da Seguridade Social e veteranos, além de salários para membros em serviço do Exército. “Um fracasso na elevação do teto da dívida colocará o pagamento em dia de tudo isso em risco”, avisou. Fonte: Dow Jones Newswires e Market News International.