O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, comemoraram o aumento da capacidade de produção brasileira de gás e de importação do mesmo produto a partir de outros países que não a Bolívia. Em discurso na inauguração da Fase 2 da Unidade de Tratamento de Gás de Cacimbas (UTGC), da Petrobras, Dilma declarou que “o Brasil atingiu a maturidade no gás”. Ela e Lula trataram do assunto como a independência do Brasil em relação ao fornecimento de gás unicamente da Bolívia.

 

Lula, porém, afirmou que o Brasil continuará comprando gás boliviano e investindo no país vizinho “porque não interessa ao Brasil que o País cresça cercado por pobres”. Lula contou que na crise de nacionalização do gás da Bolívia em 2006 mostrou um mapa da América do Sul ao presidente boliviano, Evo Morales, para convencer o colega que a Bolívia só poderia vender o gás para o Brasil. Agora, Lula declarou que não irá dizer “olha, Evo, vamos deixar você livre para vender para quem quiser”, porque para o Brasil “interessa que a Bolívia cresça, a Argentina cresça, o Paraguai cresça…”

 

A ministra e o presidente citaram a criação do Plano Nacional de Gás (Plangás) a partir da crise da nacionalização do gás da Bolívia em 2006, então único fornecedor do produto para o Brasil. Com o Plangás, o governo brasileiro decidiu criar os terminais de Pecém (CE) e do Rio de Janeiro, que permitem a importação de gás liquefeito de petróleo por via marítima, e apostar na produção nacional.

 

No fim do ano, quando a Fase 3 da UTGC funcionar, o Brasil estará produzindo 18 milhões de metros cúbicos diários de gás em Cacimbas. Dilma afirmou que 18 milhões de metros cúbicos por dia correspondem a 60% do total que o Brasil pode importar da Bolívia.

 

Lula louvou a política do Plangás e afirmou que as descobertas de petróleo e gás no Brasil são fruto do aumento do investimento da Petrobras em pesquisa e prospecção e não de sorte. “Muita gente acha que é sorte. Que o governo Lula teve sorte que outros não tiveram. Se dependesse de sorte, o Corinthians era campeão todo ano”, disse o presidente.

 

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, declarou no evento que hoje o Brasil já produz cerca de 60 milhões de metros cúbicos por dia de gás. Lula e Dilma homenagearam a diretora de Gás e Energia da Petrobras, Graça Foster. O presidente deu uma flor da decoração do palco para a diretora.