O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, defendeu hoje, em audiência na Comissão Geral da Câmara dos Deputados, a redução da jornada de trabalho de 44 horas para 40 horas semanais. Segundo ele, com a mudança, a participação do custo do salário na produção passaria de 22% para 23,9%.

Para o ministro, esse custo é muito baixo, ao contrário do que as empresas afirmam. Lupi ressaltou que a maioria dos países no mundo adota uma média de 40 horas semanais de trabalho. Por outro lado, a prática abusiva de horas extras adotada pelas empresas, segundo o ministro, impede o aumento dos postos de trabalho no Brasil.

O objetivo da Comissão Geral é discutir a Proposta de Emenda Constitucional que prevê a redução da jornada e o aumento do adicional da hora extra, de 50% para 75% do valor da hora trabalhada.