A Secretaria da Agricultura recebeu ontem, em Curitiba, os resultados negativos de 43 amostras, coletadas no dia 29 de novembro, dos animais da Fazenda Cachoeira, em São Sebastião da Amoreira, Norte Pioneiro.

Os laudos foram emitidos pelo Setor de Virologia do Laboratório Nacional Agropecuário (Lanagro), de Belém (PA) na última quarta-feira. Os novos resultados somam-se aos de outras 48 amostras, também negativos, recebidos pela Secretaria na sexta-feira, dia 16. Até agora, já são 91 resultados negativos para identificação viral, da Fazenda Cachoeira, de um total de 209 amostras coletadas.

De acordo com o Lanagro, os atuais resultados são de Prova de Probang e Elisa, exames utilizados a partir da coleta de líquido esofágico faríngeo dos animais suspeitos para pesquisa do vírus da febre aftosa.

A Secretaria também recebeu os resultados de nove amostras coletadas no dia 30 de novembro dos animais da Fazenda Santa Isabel, no município de Grandes Rios. Os resultados também são negativos.

Comprovação

O vice-governador e secretário da Agricultura, Orlando Pessuti, reafirmou que todos os resultados negativos comprovam que o Paraná não tem febre aftosa. ?Esses resultados já eram esperados. Eles vêm confirmar que o Paraná permanece livre de febre aftosa?, disse.

Em reunião na última quarta-feira, 21, em Brasília, o secretário da Agricultura questionou como o Ministério chegou à conclusão de que havia febre aftosa no Paraná no dia 5 de dezembro se no último dia 16 o próprio Lanagro concluiu que os resultados dos exames de 48 amostras, coletadas na Fazenda Cachoeira, deram negativo. O mesmo resultado foi obtido nos exames de cinco amostras, coletadas na Fazenda Bonanza, em Eldorado (MS), local de origem dos animais sob suspeita no Paraná. Segundo Pessuti, os resultados negativos da Fazenda Bonanza, em Mato Grosso do Sul, quebram o vínculo epidemiológico com rebanhos do Paraná.

?Mais uma razão para exigir o cancelamento do foco no Paraná. Pois os resultados dos exames de animais das fazendas Bonanza, no Mato Grosso do Sul, Cachoeira e Santa Isabel, no Paraná, estão dando negativos. Agora, os novos resultados reforçam a nossa convicção de que o Paraná não tem febre aftosa?, concluiu.

Rússia

A Rússia deixou claro ontem que será dura com o governo brasileiro antes de rever o embargo imposto às importações de animais vivos, carnes e produtos de oito estados brasileiros. Em comunicado, o serviço veterinário da Rússia informou que não está satisfeito com a incapacidade de o Brasil lidar com a doença.

Cerca de 14% das exportações brasileiras de carne bovina do Brasil vão para a Rússia. Em dezembro, mesmo com o embargo, a Rússia ainda foi o principal importador de carne bovina ?in natura?, comprando um volume de 9.356 toneladas, com receita de US$ 18,8 milhões.

A restrição ao Mato Grosso do Sul vale desde outubro. O Paraná e mais seis estados estão proibidos de vender desde a semana passada.