O grupo Materiais, Equipamentos e Serviços acelerou de 0,41% para 0,95% de março para abril e puxou o resultado do Índice Nacional de Custo da Construção – Mercado (INCC-M), apurado pela Fundação Getulio Vargas (FGV), que subiu de 0,36% em março para 0,65% em abril.

De acordo com a FGV, o acréscimo na taxa de variação desse grupo foi consequência do avanço no subgrupo Materiais e Equipamentos, que registrou aumento de 1,14%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,41%. Os quatro subgrupos componentes apresentaram acréscimo em suas taxas de variação, destacando-se Materiais para Estrutura, cuja taxa passou de 0,33% para 1,29%.

Em movimento contrário, o subgrupo Serviços passou de uma taxa de 0,44% em março para 0,24% em abril. A desaceleração ocorreu por conta do vale transporte, cuja variação passou de 1,01% para 0,04%.

O grupo Mão de Obra registrou variação de 0,38%, em abril. No mês anterior, a variação registrada foi de 0,31%. A aceleração desta classe de despesa continua influenciada pelo reajuste salarial em Salvador.

Observadas individualmente, as maiores influências de alta foram os itens Cimento portland comum (-0,70% para 4,06%), Ajudante especializado (0,40% para 0,35%), Condutores elétricos (-1,28% para 5,07%), Elevador (0,89% para 1,07%), Tubos e conexões de ferro e aço (0,68% para 1,96%).

Já entre as maiores influências de baixa do INCC-M de abril estão os itens Materiais elétricos (0,49% para -0,49%), Taxas de serviços e licenciamentos (0,77% para 0%), Vale transporte (1,01% para 0,04%), Placas cerâmicas para revestimento (0,14 para 0,06%) e Massa corrida para madeira (0,45% para 0,71%). O INCC-M é calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.