Brasília (AE) – As estimativas do mercado financeiro para a taxa de câmbio no fim de 2007 recuaram de R$ 2,20 para R$ 2,18 na pesquisa semanal Focus, realizada pelo Banco Central (BC) com 100 instituições financeiras e divulgada ontem. Antes da queda, as estimativas de câmbio para o final do ano ficaram estáveis em R$ 2,20 por quatro semanas consecutivas.

As previsões de taxa média de câmbio para 2007 recuaram no mesmo levantamento de R$ 2,18 para R$ 2,16. A redução ocorreu após duas semanas seguidas de estabilidade destas previsões em R$ 2,18. Há quatro semanas, as apostas de taxa média de câmbio para 2007 estavam em R$ 2,19. Para o fim deste mês, as estimativas de câmbio recuaram de R$ 2,14 para R$ 2,12. Para o final de março, as projeções de câmbio ficaram em R$ 2,13.

As estimativas de taxa de câmbio para o fim de 2008, por sua vez ficaram em R$ 2,29. As previsões de taxa média de câmbio para o próximo ano atingiram R$ 2,24.

IGPs

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) poderá registrar uma taxa de 4,10% ao final de 2007, segundo acredita o mercado financeiro, contra uma previsão anterior de 4,25% ao ano. Para 2008, as estimativas de variação do IGP-M ficaram em 4,10%.

As projeções para o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) de 2007 recuaram de 4,25% para 4,13%. No próximo ano, as apostas são de que o indicador atinja 4,07%.

Os economistas consultados acreditam que a inflação em São Paulo medida pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) poderá apresentar taxa de 4% este ano, ante 4% esperada antes. Para 2008, as estimativas de IPC da Fipe ficaram em 4%.

PIB

As projeções do mercado financeiro para a dívida líquida do setor público neste ano subiram de 48,90% para 49% do Produto Interno Bruto (PIB). No ano seguinte, as previsões para a dívida líquida ficaram em 47% do PIB.

Para o crescimento do PIB neste ano as projeções ficaram estáveis em 3,50%. Essas previsões vêm sendo mantidas em 3,50% já por 24 semanas consecutivas. As estimativas de aumento da produção industrial em 2007 não mudaram e prosseguiram em 4% pela nona semana seguida. Para 2008, as projeções de expansão do PIB ficaram em 3,50%. As estimativas de crescimento da produção industrial ficaram em 4,50%.

IPCA e juro

As projeções do mercado financeiro para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 2007 caíram de 4,07% para 3,97%. Essa foi a segunda queda consecutiva dessas previsões, que estavam em 4,07% há quatro semanas. Para 2008, as projeções da pesquisa do BC para o IPCA ficaram em 4%.

Para o mês de fevereiro, as projeções de IPCA caíram de 0,48% para 0,46%. A queda interrompeu uma seqüência de quatro elevações seguidas dessas previsões, que estavam em 0,45% há quatro semanas.

Selic

As projeções do mercado financeiro para a taxa de juros em março ficaram em 12,75% ao ano. A estimativa embute uma expectativa de que o Comitê de Política Monetária (Copom) venha a cortar os juros em 0,25 ponto percentual na reunião dos dias 6 e 7 de março. Para o fim do ano, as previsões de mercado para a taxa de juros continuaram estáveis em 11,50% ao ano. Para o final de 2008, as previsões de juros ficaram em 10,50% ao ano.