São Paulo

(AG) – Os mercados financeiros iniciaram de forma tranqüila a semana, com o dólar em queda e a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) em alta. A moeda americana encerrou o dia de ontem em queda de 1,95%, cotada a R$ 2,662 na compra e R$ 2,664 na venda. A Bovespa aproveitou a recuperação do câmbio para fechar em alta de 2,03%. O Ibovespa terminou com 11.938 pontos e volume financeiro de 1,031 bilhão. O exercício de opções, responsável por mais da metade do volume financeiro (R$ 559 milhões), sustentou a valorização. A Bovespa também acompanhou a alta nos mercados americanos e europeus.

O dólar comercial já abriu em queda de 0,62%, cotado a R$ 2,688 na compra e R$ 2,698 na venda. O dólar chegou a cair 1,47% no período da manhã, mas fechou com redução de 1,25%. À tarde, o ritmo de queda diminuiu um pouco mais, mas a moeda americana bateu os 2,02% quase no final do período (R$ 2,660). A queda foi atribuída à decisão do Banco Central de fazer três leilões de linha externa para atender a procura das instituições financeiras por moeda estrangeira. Nesse tipo de leilão, o BC vende dólares ao mercado com o compromisso de recompra em até 60 dias. Dois leilões, no valor de US$ 150 milhões e US$ 300 milhões, já haviam sido anunciados na última sexta-feira.

Para os operadores de mesa, as declarações do presidente do Banco Central, Armínio Fraga, ontem pela manhã, ajudaram a tranqüilizar o mercado. Um operador disse que `Fraga não comentou nada de novo, mas é bom que o presidente do BC faça declarações em público reforçando a política da instituição’. Segundo ele, o BC mostra que não está desanimado e que faz o que pode para diminuir o nervosismo.

Segundo Mário Battistel, diretor de câmbio da corretora Novação, a venda de dólares por um grande banco nacional no final da tarde fez mais efeito na queda do dólar do que a atuação do próprio Banco Central, com os três leilões de linhas externas. “Mesmo com os leilões, a cotação ficou um pouco acima do esperado. A pressão de alta foi até um pouco forte logo depois do almoço. A moeda caiu no final da tarde, depois das 16h porque um grande banco entrou vendendo. Não ficou claro se o banco saiu na frente vendendo ou se tinha alguma operação na manga.

O mercado deve ficar ainda um pouco pressionado amanhã, quando estão previstos vários vencimentos de dívidas em dólar das empresas. De acordo com os operadores, algumas companhias já podem ter comprado a moeda na semana passada para antecipar o pagamento e aí a pressão seria menor nos próximos dias. João Marco Cicarelli, consultor da corretora Clicktrade, disse que os leilões do Banco Central foram ontem mais proveitosos, o que contagiou a Bovespa. Cicarreli disse que a mudança de humor pode se sustentar se os juros caírem hoje na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). “As turbulências ainda existem, mas existe indicação de melhora”, disse Cicarelli.

A consolidação de José Serra no segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto, segundo o consultor, pode melhorar os ânimos dos investidores. Apesar disso, ele acredita que o próximo governo, qualquer que seja o presidente, terá muita dificuldade para administrar os problemas, o que deixará a volatilidade permanecer por um bom tempo.