O ministro da Ciência e Tecnologia, Roberto Amaral, deverá estar no 1.º Seminário de Biodiesel do Estado do Paraná, que está sendo organizado pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná em conjunto com a Secretaria da Agricultura e Abastecimento. Os debates serão realizados no próximo dia 28 na Universidade Estadual de Londrina visando estimular os estudos e o uso de combustíveis alternativos no país.

O convite ao ministro foi feito ontem em Brasília pelo secretário da Ciência e Tecnologia, Aldair Rizzi. O secretário estava acompanhado pelo assessor especial do Ministro para Políticas de Regionalização e Arranjos Produtivos Locais, Paulo Bracarense Costa, e pelo diretor técnico do Tecpar, José Domingos Fontana, também responsável pelo Centro Brasileiro de Referência em Biocombustíveis (Cerbio).

Recursos

O secretário Aldair Rizzi aproveitou o encontro para defender a liberação de uma parcela suplementar de recursos anteriormente aprovada pelo Ministério da Ciência e Tecnologia ao Paraná e, ainda, entregou três documentos fundamentais para a defesa do Cerbio e do uso de biocombustíveis .

Um dos documentos refere-se ao sumário do uso do MAD8 (mistura de diesel, etanol e biodiesel) na frota dos ônibus metropolitanos de Curitiba, executado numa parceria do Tecpar e Urbs com comprovado benefício ambiental como a redução da poluição atmosférica.

O outro documento aborda uma pré-análise da viabilidade e competitividade econômica na MAD8 em substituição a uma parcela do óleo diesel. Já o terceiro sumário apresenta uma análise da viabilidade sócio-econômica do biocombustível.

Favorável

Segundo o secretário Rizzi, há no Ministério da Ciência e Tecnologia uma atmosfera bastante favorável à adoção do biodiesel no país, o que também deve influenciar favoravelmente a ministra das Minas e Energia, Dilma Rousseff.

“O crescimento tanto da safra de soja quanto da de cana – agronegócios que proverão as duas matérias-primas para o biodiesel – deve pesar positivamente nos argumentos de convencimento das autoridades ministeriais”, acredita Rizzi. A proposta também tem apoio do secretário de Agricultura, Orlando Pessuti.

Além do Tecpar e da Urbs, a Copel também já realizou experiências positivas com combustível alternativo. Uma delas, realizada há uma década, envolveu um caminhão abastecido com etanol aditivado. O veículo rodou mais de 400 mil quilômetros sem apresentar problemas com o combustível.