Ponto de partida do roteiro de hoje, de fiscalização das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) em 500 quilômetros de rodovias em três Estados nordestinos, Pernambuco foi bem avaliado pela ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão, Miriam Belchior, que viu, pela manhã, as obras de duplicação da BR-408. As desapropriações, principal entrave identificado para o andamento da duplicação, estão bem avançadas, atestou ela depois da visita.

Segundo Belchior, o modelo participativo utilizado pelo governo de Pernambuco, que busca aproximar a população da obra para a compreensão da necessidade da intervenção, tem facilitado as negociações. O trecho em duplicação da BR-408, orçado em R$ 300 milhões, é de 41,8 quilômetros, dividido em dois lotes, com prazo de conclusão previsto para dezembro de 2013. Um deles, de 19,7 quilômetros, está com 90% das obras concluídas.

A duplicação faz parte do conjunto de intervenções que visam a Copa de 2014: a rodovia dá acesso ao estádio Arena da Copa, que vai sediar jogos do mundial e está sendo construído no município metropolitano de São Lourenço da Mata. O fluxo atual da rodovia, de 11 mil veículos/dia, deve subir a capacidade para 19 mil veículos/dia depois de duplicada.

Acompanhada pelo ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, a ministra atende à recomendação da presidente Dilma Rousseff, que quer dar velocidade às obras do PAC. Em Pernambuco, Alagoas e Sergipe, os ministros iriam vistoriar 500 quilômetros de rodovias, que representam um investimento de R$ 3 bilhões. A meta é identificar dificuldades e buscar soluções em conjunto com os governos estaduais e consórcios construtores.

Para Belchior, Pernambuco é um exemplo clássico do que é o PAC, porque tem tudo o que tem o programa (ferrovias, rodovias, o Porto de Suape, refinaria e petroquímica) e também obras de urbanização do Recife. “Acredito que as obras em Pernambuco estão indo muito bem”, afirmou.