Os trabalhadores da Volkswagen seguem de braços cruzados. Às 5h30 desta sexta-feira (13), após a realização de uma assembleia, a categoria decidiu pela manutenação da greve na fábrica de Curitiba. De acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, a empresa não apresentou nenhuma nova proposta, o que impediu a negociação.

Nesta sexta também venceu o prazo de cinco dias definido na audiência entre a montadora e os representantes dos funcionários realizada na última segunda-feira (9), no Tribunal Regional do Trabalho, para que as partes entrassem em acordo, o que não aconteceu. Com isso, uma nova audiência será marcada na Justiça do trabalho, provavelmente para a próxima segunda-feira (16).

Os funcionários dos três turnos continuam paralisados diante da posição da montadora de não oferecer mais no pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) deste ano. A proposta da Volkswagen é de R$ 4,6 mil, enquanto os empregados querem – pelo menos – o pagamento igualitário em relação às outras unidadades da empresa, nas quais os funcionários receberão R$ 5,2 mil.

A intenção da categoria é fechar um acordo similar ao conseguido nas outras montadoras nas negociações deste ano. Na Volvo, os funcionários ficaram três dias paralisados. Depois do acordo, vão receber R$ 15 mil, em duas parcelas, para 100% das metas atingidas. Na Renault, os funcionários aceitaram receber a primeira parcela de R$ 6 mil e a garantia do pagamento de outros R$ 6 mil na segunda parcela.