O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse hoje que existe a percepção, entre os países do G-20 (grupo das 20 maiores economias do mundo), de que a situação na zona do euro melhorou desde a reunião de cúpula dos líderes dessas nações em Cannes, no fim do ano passado, mas que agora as preocupações são com a desaceleração mundial e o aumento do desemprego. Ou seja, “alguns problemas foram resolvidos, outros ainda não”. Mantega falou rapidamente com jornalistas no fim da tarde (no México) antes de ir ao jantar dos ministros de finanças e presidentes de bancos centrais do G-20, que estão reunidos neste fim de semana na Cidade do México.

“Saímos do sufoco. Não há grandes riscos de rupturas ou de estresse na área financeira e da dívida dos países, mas há etapas a serem percorridas pelos europeus para normalizar situação internacional”, disse. Segundo o ministro, a demora nessa normalização tem gerado a deterioração do crescimento mundial. “Um problema caminha para solução, mas outros estão emergindo e temos o problema sério da desaceleração mundial”, acrescentou.

Para o Brasil e os demais emergentes, essa desaceleração é muito preocupante, disse Mantega. “A queda de preços de commodities jogaria no chão muitas economias emergentes, afirmou o ministro. Outro problema, ressaltou, é a alta recente do petróleo, que causa danos à economia global. “Nós controlamos a inflação, mas agora temos o problema do petróleo”.