A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou esta semana mudanças no cálculo do preço da energia comercializada no mercado livre. A medida já surtiu efeito no cálculo dos preços para a semana que vem, que caíram cerca de 10%. As projeções indicavam alta no mesmo porcentual. Segundo especialistas, a mudança deve reduzir a volatilidade no setor, ajudando no planejamento da indústria, mas não terá impacto significativo para o consumidor residencial.

O novo modelo de preços é fruto de uma revisão feita pela agência no programa de computador Newave, usado para calcular o custo da energia a partir de variáveis como o volume de chuvas e a previsão de demanda. "O modelo anterior tinha volatilidade irracional. O preço podia variar R$ 100 para cima ou para baixo sem que houvesse justificativa no mundo real", diz o presidente da comercializadora de energia Comerc, Marcelo Parodi.

Entre julho e agosto, por exemplo, o preço para grandes consumidores das Regiões Sudeste e Centro-Oeste caiu de R$ 120 18 para R$ 29,98 por megawatt-hora (MWh) em apenas duas semanas. No início de setembro, já estava em R$ 129,18.

As informações são do jornal O Estado de S.Paulo