A Eletronuclear assinou hoje com a Andrade Gutierrez contrato para as obras civis da usina de Angra 3. Trata-se do primeiro passo para a retomada da construção da usina, parada desde o final da década de 70. O presidente da Eletronuclear, Othon Pinheiro da Silva, disse que dois novos pacotes de obras serão colocados em licitação ainda este ano, referentes à montagem e às obras de contenção. Esses contratos estão sendo discutidos junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), para evitar contestações no futuro. A previsão é que a usina fique pronta em maio de 2015.

“É um passo importante para garantir a segurança energética no futuro”, afirmou o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, que esteve em evento sobre o setor nuclear no Rio. Lobão lembrou que o governo já estuda a localização de duas novas centrais nucleares no País, cada uma com duas usinas, em um primeiro momento. Lobão defendeu a participação em empresas privadas nos projetos, hoje proibida pela Constituição. “A Andrade Gutierrez vai construir as usinas, por que não poderia ser sócia?”, argumentou o ministro, ressaltando que a operação permaneceria estatal. O tema está em discussão no governo e, segundo Lobão, ainda não há definições.