O deputado federal Antônio Palocci (PT-SP), presidente da Comissão Especial de Reforma Tributária da Câmara, adiantou nesta terça-feira (28), durante o 3º Encontro Nacional da Indústria, em realização na Confederação Nacional da Indústria (CNI), que o principal objetivo da reforma tributária proposta pelo governo, e a ser votada no Congresso, é simplificar o sistema de tributos.

Essa simplificação, segundo ele, deve ser feita “de forma que isso possa representar um avanço em termos de redução de custos, tanto para as empresas quanto para o governo”. Palocci destacou que um outro ponto que deve servir de guia para essa reforma é a redução da carga tributária.

Ele adiantou três pontos, que considera avanços e acredita que não devem ser mudados no relatório que será apresentado pelo relator da reforma tributária, deputado Sandro Mabel (PR-GO): um, a redução de 8,5% da tributação sobre a folha de salários das empresas; outro, a redução gradual, de forma que venha a ser uma redução total de impostos sobre rendimentos; e, por último, a possibilidade de diminuir a tributação na concessão de crédito para a compra de bens de consumo.

Além disso, Antônio Palocci apontou a necessidade da simplificação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS), com alíquotas padronizadas e cobradas apenas no destino e não na origem, porque “é o fim do acúmulo de crédito de exportação”.