O pão deve ser vendido por quilo em Curitiba e Região Metropolitana. Técnicos do Instituto de Pesos de Medidas do Paraná (IPEM), do Sindicato da Indústria de Panificação e Confeitarias e do Procon estiveram reunidos, ontem, para discutir a assinatura de um termo de ajustamento de conduta para regulamentar a venda. Segundo o coordenador estadual do Procon, Naim Akel, o documento deve estar pronto na próxima semana e pode conter punições para quem não seguir o que ele determina.

A discussão sobre a possibilidade do pão ser vendido por quilo surgiu depois que o Ipem constatou várias irregularidades. Muitos donos de panificadoras estão vendendo a unidade de pão com um peso inferior a 50 gramas e cobrando menos por isto. Deste modo, quem vende com o peso correto acaba sendo prejudicado pela concorrência desleal e o consumidor sai lesado.

Segundo dados do Ipem, das 1503 verificações realizados durante o ano houve 107 autuações. Para o gerente de pré-medidos, Sérgio Camargo, este número é muito expressivo. “E constatamos que ele vem aumentando”, completa. Camargo só destaca que o documento elaborado pelo Procon, em conjunto com os demais órgãos, não pode se sobrepor ao que determina a portaria 003/97 do Inmetro (Instituto Nacional de Pesos e Medidas). Segunda ele, o pão vendido por unidade deve ter 50 gramas e os demais precisam ser vendidos por quilo.

O diretor do Procon afirma que a assinatura do documento é importante para o consumidor, já que vai mostrar exatamente o que ele está comprando. Ele diz ainda que, embora o Procon tenha poderes para punir, será pouco provável que haja sanções no documento. Por isso, destacou o papel do consumidor em pressionar os donos de panificadora para adotar a medida.

O presidente do Sindicato da Indústria de Panificação e Confeitaria, Joaquim Cancela Gonçalves, afirma que com a medida as práticas ilegais de comercialização vão acabar. Ele conta que, em Curitiba, dos 700 panificadores cadastrados, 150 já aderiram a este tipo de comercialização. Para o proprietário de panificadora, José A. de Camargo, a venda do pão por quilo não vai gerar nenhum problema, pelo contrário. “Vai acabar com a concorrência desleal”, afirma. Hoje os representantes dos três órgãos vão continuar a discussão.