O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta quarta-feira que a concorrência nos leilões deverá reduzir um pouco a taxa de retorno dos projetos de concessões de rodovias. “Como os nossos cálculos são parâmetros para os leilões e no decorrer haverá concorrência, as taxas poderão abaixar um pouco. Não serão necessariamente essas taxas”, disse. Mantega enfatizou que o governo está tornando bem atraentes as concessões de rodovias para que haja concorrência.

“Quanto mais atraente o empreendimento, a perspectiva de lucro, maior será a atração de investimentos”, afirmou. O ministro disse que o grande desafio do governo é que os investimentos tenham atratividade. “Já tínhamos melhorado as condições de financiamento para garantir as taxas de 16% a 20% (de retorno para o investidor)”, destacou.

Mantega também destacou as vantagens do financiamento dos projetos serem feitos por meio da modalidade “project finance”, que menos onera as empresas empreendedoras, porque não precisam aumentar a sua alavancagem. Mantega explicou que a taxa de retorno de 7,2% para o projeto é como se fosse o rendimento do capital da empresa que vai fazer o investimento. “Já o rendimento para o investidor considera o financiamento”, disse ele, ao explicar a taxa de retorno para o investidor, que ficará entre 16% e 20%.

As condições de financiamento dos projetos são de até 25 anos com taxa de juros de até 1,5% e prazo de carência de cinco anos. Essas condições de financiamento poderão ser oferecidas pelo BNDES, os demais bancos públicos e também os privados. Mantega lembrou que o Banco Central liberou R$ 15 bilhões dos depósitos compulsórios para esses financiamentos.