A avicultura paranaense manteve a liderança da produção brasileira de frangos no mês de março. O número de abates (61.787.614 cabeças) foi 9,1% superior ao registrado no mesmo mês de 2002 (56.630.846 cabeças) e 1,89% maior que em fevereiro deste ano (60.637.707 cabeças). Com produção de 117,3 mil toneladas de carne de frango, o Paraná respondeu por 18,14% do total nacional, estimado em 646,9 mil toneladas. O crescimento do Estado superou o avanço nacional, de 4,3%,d em relação a março do ano passado. Para o presidente do Sindiavipar (Sindicato da Indústria de Produtos Avícolas do Paraná), Domingos Martins, a continuidade do desempenho positivo reflete a política agressiva adotada pelo setor no Estado em relação aos mercados externo e interno.

Em março, os abates de frango do Paraná ultrapassaram em 14,24% o total de Santa Catarina, segundo maior produtor do País, com 54.085.406 cabeças, e em 23,80% o resultado do Rio Grande do Sul, que abateu 49.906.300 cabeças. A indústria avícola paranaense também está à frente na produção acumulada do primeiro trimestre de 2003, contabilizando 190.795.591 cabeças, 19,79% mais que Santa Catarina (159.263.393) e 25,05% acima do Rio Grande do Sul (152.566.001). A produção paranaense de janeiro a março (362,5 mil toneladas) representa 19,37% do total nacional (1,871 milhão de toneladas). No primeiro trimestre comparado com igual período de 2002, a produção paranaense cresceu um ponto percentual sobre a média nacional: 8% contra 7%.

Segundo Martins, os números expressivos da avicultura paranaense decorrem de um conjunto de fatores: alta competitividade da agroindústria local, investimentos em plantas industriais modernas, plena safra do milho e da soja – que provocaram ligeira queda no preço dos insumos – e abertura de novos mercados no exterior. “A avicultura talvez seja a única atividade a repassar para o consumidor os ganhos que tem”, comenta Martins, citando que o preço FOB do quilo do frango no atacado recuou de R$ 1,80 no final de fevereiro, para R$ 1,70. “Chegando ao custo de R$ 1,85 a R$ 1,95, dependendo da distância, o supermercadista tem condições de oferecer um produto mais barato para o consumidor, tanto que as promoções de frango têm sido comuns”, constata. Além disso, Martins destaca que os abates de frango no Paraná cresceram em março, mesmo com a unidade da Chapecó, em Cascavel, parada.

Exportações

De acordo com o presidente do Sindiavipar, “as exportações ditam a dinâmica do mercado, determinando a necessidade de aumentar ou diminuir o alojamento no Estado”. Em março, havia cerca de 305 milhões de aves alojadas no País, sendo mais de 60 milhões no Paraná. “A avicultura é uma atividade muito atenta. Se houver necessidade, poderemos reduzir o alojamento para não sobrar produto”, avalia Martins. A indústria avícola do Paraná projeta expansão de 12% no valor exportado em 2003. No ano passado, o total exportado pelo segmento foi de US$ 331,3 milhões, um aumento de 3,12% em relação a 2001.

Normatização

Para não perder o espaço conquistado no cenário internacional, o Sindiavipar apresentou ao secretário estadual da Agricultura e Abastecimento, Orlando Pessuti, no último dia 15, propostas para ampliar a qualidade e o controle sanitário da produção local, com base nas normas de sanidade adotadas pelos principais importadores. A entidade reivindicou a implantação de um zoneamento avícola e adoção de normas para utilização e comercialização dos dejetos das aves. As sugestões foram bem recebidas pelo secretário, que está estudando a viabilidade das medidas. “Temos a melhor matéria-prima para produzir o melhor frango do mundo e versatilidade para se adaptar facilmente a qualquer tipo de exigência”, finaliza Martins.