Dos 15.374 empregos formais criados no Paraná no primeiro trimestre de 2002, 79,5% estão no interior do Estado. Nesse período, o Estado registrou ampliação de 1,1% no número de postos de trabalho. O nível de emprego na Região Metropolitana de Curitiba (RMC) expandiu 0,53%, enquanto no interior houve crescimento de 1,50%.

De janeiro a março, os municípios com maior taxa de crescimento do emprego foram: Piraquara (7,02%), Toledo (4,05%), Cascavel (3,18%), Paranavaí (2,61%) e Paranaguá (2,26%). Com índice de crescimento mais baixo, aparecem: Foz do Iguaçu (-2,75%), Umuarama (-1,26%), Pinhais (-0,40%), Maringá (-0,03%) e Curitiba (0,35%). Os setores que mais criaram empregos com carteira foram: indústria de transformação, comércio e serviços. Das 7.354 vagas abertas na indústria, apenas 25 foram na RMC.

“O crescimento do emprego formal no interior do Paraná não é uma política determinada de desenvolvimento regional e atração de investimentos, mas é a mesma dinâmica observada no Brasil. É uma tendência nacional o interior gerar mais empregos que as regiões metropolitanas”, salienta o economista Cid Cordeiro, do Dieese.

No Paraná, o melhor desempenho na geração de postos de trabalho na indústria ocorre em setores tradicionais, como alimentação e vestuário, segmentos concentrados no interior, observa. Segundo Cordeiro, a renda gerada pela safra agrícola ativa a economia estadual, se refletindo no comércio e serviços. (OP)