O Paraná gerou 14.038 empregos com carteira assinada em setembro, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados ontem pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Com o resultado, o Estado chega a um total de quase 2,5 milhões de trabalhadores formais e perto dos 150 mil postos de trabalho criados no ano. O número é bastante próximo ao desempenho recorde do período até agora, atingido em 2008, de aproximadamente 155 mil vagas.

A performance de setembro garantiu um aumento de 0,6% no estoque de empregos formais no Estado, e foi a terceira melhor para esse mês durante a série histórica do Caged, ficando atrás dos saldos de setembro de 2008 (17.404 postos) e 2007 (14.189). No acumulado dos primeiros nove meses do ano, o crescimento no total de vagas, em relação ao ano passado, é de 6,8%. Os saldos, em ambas as comparações, são os melhores da Região Sul.

Para o secretário estadual do Trabalho, Emprego e Promoção Social, Tércio Albuquerque, políticas tributárias, especialmente as destinadas a micro e pequenas empresas, estão entre as principais responsáveis pelo bom desempenho do emprego no Estado, nos últimos anos.

Os números do emprego em setembro mostraram um equilíbrio entre os três principais setores que geram vagas no Paraná. Na indústria, o número de admissões superou as demissões em 4,8 mil postos. Nos serviços, o saldo foi de 4,5 mil vagas e no comércio, de 4,4 mil empregos, aproximadamente. O maior crescimento relativo aconteceu no comércio, onde as vagas aumentaram em 0,8%.

Curitiba e Região Metropolitana responderam por quase metade dos empregos gerados em setembro no Paraná, com um saldo de 6.911 postos e crescimento de 0,73% em relação ao total de agosto. O município de Curitiba foi o responsável pela maior parte desse saldo, com 5.316 vagas. O resultado é o melhor entre os municípios paranaenses.

Outros bons desempenhos em setembro aconteceram em Maringá, Ponta Grossa, Foz do Iguaçu e Cascavel. Já Rolândia, São Mateus do Sul, Jaguariaíva, Jacarezinho e Cornélio Procópio ficaram com os piores saldos entre os municípios com mais de 30 mil habitantes (ver quadro).

País

O volume de vagas de trabalho geradas com carteira assinada de janeiro a setembro, no País, é recorde para o período. Os dados nacionais do Caged mostram um total de vagas 2.201.406 geradas no período. Em setembro, o saldo líquido de empregos criados com carteira assinada foi de 246.875 vagas.

O ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, afirmou que, apesar de a geração de empregos formais de setembro não ter batido recorde para o mês, conforme previa, os meses de novembro e dezembro trarão os melhores resultados para o mês. “Vamos ultrapassar um pouquinho os 2,5 milhões de empregos gerados em 2010, o melhor ano de geração de emprego da história do Brasil”, previu.