Foto: Arquivo/O Estado
Estado projeta crescimento na área plantada e na produtividade.

O Paraná deve ser o maior produtor de feijão do País neste ano, com a colheita de 770 mil toneladas, segundo estimativa do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria da Agricultura e Abastecimento. No ano passado, o Paraná era o segundo maior produtor, atrás de Minas Gerais. ?Estamos prevendo um aumento de 39% na oferta do Paraná em relação ao ano anterior?, informa Paulo Meira, técnico do Deral. O aumento deve-se basicamente a dois fatores: ampliação de 32% na área plantada e de 5% na produtividade.

As 770 mil toneladas previstas garantem ao Paraná a liderança nacional na produção de feijão. ?Teremos 22% de toda a produção do País, comparando nossa estimativa com o total previsto pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que é de 3,45 milhões de toneladas?, afirma Paulo Meira. Esses números são um alento para os pequenos agricultores, os maiores responsáveis pela produção de feijão no Paraná.

A área cultivada com feijão no Estado somou 560,6 mil hectares, ante 425,1 mil hectares no ano passado. A alta se deve ao aumento de preço do produto, segundo Margoreth Demarchi, engenheira agrônoma do Deral. ?O feijão é uma alternativa de renda rápida para o agricultor, que pode plantar e colher em três meses?, afirma.

A produtividade estimada pelo Deral, com base nos levantamentos feitos até 24 de julho, é de 1.337 quilos por hectare. ?Esse é o rendimento médio das três safras deste ano?, explica Paulo Meira. Se for confirmada, a produtividade deste ano será 5% superior a do ano passado, que foi de 1.275 quilos por hectare.

De acordo com o Deral e com a Conab, o Paraná volta neste ano a ser o maior produtor de grãos do País, liderando também a produção de milho, trigo e aveia. No total, a produção de grãos do Paraná deverá ser de 23,85 milhões de toneladas. O secretário estadual da Agricultura, Newton Pohl Ribas, destaca que, apesar da estiagem, a produção estimada atualmente mantém-se 6,2% superior à verificada no ano passado, quando o Estado colheu 22,45 milhões de toneladas de grãos. (AEN)