Os pedidos de falência acumulam alta de 9,2% no 1º semestre de 2015, na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo pesquisa da Boa Vista SCPC. Somente em junho, as solicitações subiram 31,3% em relação a maio e 81,7% ante junho de 2014.

Enquanto isso, as falências decretadas subiram 31,9% no primeiro semestre. Em junho, elas cresceram 16,5% ante maio e 94,8% na comparação com junho do ano passado.

Os pedidos de recuperação judicial acumulam alta de 17,2% no primeiro trimestre, ao passo que as recuperações deferidas aumentaram 12,5%.

“A fraca atividade econômica reduz a capacidade de geração de caixa das empresas, e o aumento nas taxas de juros e na restrição ao crédito encarece o capital de giro, piorando os indicadores de solvência das empresas”, diz o relatório da Boa Vista. Segundo a empresa, sem sinal de melhora no cenário macroeconômico no curto prazo, a expectativa é que os indicadores de falências encerrem o ano em patamares superiores aos de 2014.

Na divisão por tamanho, as pequenas empresas representam cerca de 85% dos pedidos de falências e 91% das falências decretadas no primeiro semestre. Já na análise por segmento de atuação, 40% dos pedidos foram no setor de serviços, 34% na indústria e 26% no comércio.

O indicador de falências é construído com base na apuração dos dados mensais de falências (requeridas e decretadas) registradas na base de dados da Boa Vista SCPC, oriundas dos fóruns, varas de falências e dos Diários Oficiais e da Justiça dos Estados.