O preço do petróleo, negociado na Bolsa Mercantil de Nova York, fechou em baixa ontem, depois de registrar novo recorde durante as negociações, US$ 64,27. O barril do petróleo cru fechou cotado a US$ 63,07, recuo de 1,24%. Um dos motivos para a queda seria o fato de os investidores preferiram vender contratos da commodity, para realizar lucros antes da divulgação do relatório semanal sobre estoques do Departamento de Energia dos EUA.

O presidente da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo), xeque Ahmad al Fahd al Sabah, disse que o fornecimento mundial de petróleo excede atualmente a demanda pelo produto. ?Esses volumes a mais levaram a um suprimento global que excede a demanda nos últimos dois anos, permitindo que os estoques continuem a crescer bem acima da média dos últimos cinco anos?, disse Al Sabah em um comunicado.

Mesmo com as sugestões de que os estoques estejam bem supridos, os investidores continuam cautelosos. Os riscos à segurança das representações diplomáticas dos EUA na Arábia Saudita, e o temor quanto à retomada das atividades nucleares no Irã, prosseguem afetando os preços. Analistas consideram inclusive que os fatores geopolíticos estão ganhando a cena, nas pressões sobre as cotações da commodity.

A EIA (agência do Departamento de Energia dos EUA, na sigla em inglês) revisou para baixo a sua expectativa de demanda de crescimento de consumo para o quarto trimestre deste ano e para o ano todo de 2006, para 2 milhões de barris por dia e 1,8 milhão de barris por dia respectivamente.

Mesmo com a revisão para baixo, ainda permanece o desafio de fazer frente à demanda por combustível para calefação nos EUA no fim do ano, durante o inverno, quando o consumo do produto cresce muito.