O ministro de Finanças da Polônia, Jacek Rostowski, que presidirá os encontros entre ministros da pasta da União Europeia (UE) nos próximos seis meses, mostrou-se incrédulo em comentários sobre a zona do euro.

Rostowski questionou a eficácia dos mecanismos de ajuda do bloco, no mesmo dia em que ministros da zona do euro decidiram dar à Grécia mais uma parcela de um pacote de ajuda aprovado no ano passado, assim que o Fundo Monetário Internacional (FMI) der seu aval. Além disso, o ministro demonstrou cautela diante da possibilidade de a Polônia adotar a moeda única europeia.

O país assume este mês a presidência rotativa da UE. Com isso, Rostowski estará à frente das reuniões regulares entre os ministros de Finanças do bloco. Os encontros dos 17 membros da zona do euro geralmente são realizados em separado.

“O mecanismo para Grécia, Irlanda e Portugal ainda precisa de um trabalho melhor”, avaliou Rostowski. Segundo ele, assim que um país adota esse programa, a nação deveria ser vista como no caminho para a recuperação, porém não é isso que acontece.

O ministro disse acreditar que a separação entre reuniões da zona do euro e da UE em geral é ineficiente, particularmente quando os assuntos afetam todos os 27 membros do bloco. As informações são da Dow Jones.