A região metropolitana de Porto Alegre registrou em março a maior inflação mensal entre as 13 regiões pesquisadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A alta foi de 1,81%, bem acima da média geral, que ficou em avanço de 1,32%.

Segundo o órgão, os principais impactos em Porto Alegre vieram de energia elétrica (27,21%) e ônibus urbano (7,97%). A energia elétrica refletiu o reajuste extraordinário médio de 26,31% em vigor desde o dia 2 de março. Já no caso de ônibus urbano, houve reajuste de 10,85% a partir de 22 de fevereiro.

Também ficaram acima da média nacional Campo Grande (1,79%), Curitiba (1,69%), Fortaleza (1,57%), Belo Horizonte (1,48%), Vitória (1,45%), Goiânia (1,43%) e Rio de Janeiro (1,35%). Ficaram abaixo do IPCA geral São Paulo (1,31%), Brasília (1,18%) e Salvador (0,87%). Os menores índices foram os de Recife (0,56%) e Belém (0,58%).

Em Recife, o item energia elétrica (0,65%) apresentou o menor resultado em relação às demais regiões, em função do mais baixo reajuste extraordinário (1,45%) e da queda das alíquotas de PIS/Cofins. Em Belém, os alimentos consumidos em casa ficaram 0,17% mais caros, bem abaixo da média nacional (1,17%), segundo o IBGE.