O governador Beto Richa anunciou ontem, em visita ao Porto de Paranaguá, ações para o terminal voltar a ser referência nacional. Os investimentos, somados recursos dos governos estadual e federal, somam R$ 154,5 milhões. As obras incluem dragagens de manutenção e aprofundamento, acompanhadas de estudos ambientais.

Richa assinou a ordem de serviço para o início imediato das obras de dragagem emergenciais dos berços de atracação, e anunciou as de manutenção e aprofundamento do Canal da Galheta e da bacia de evolução do porto.

Ele estava acompanhado pelo secretário estadual de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, e foi recebido pelo superintendente dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), Airton Vidal Maron.

O governador também se reuniu com lideranças sindicais, trabalhadores e operadores portuários. “Infelizmente perdemos cargas para outros portos nos últimos anos, mas daremos a volta por cima. Colocaremos o Porto de Paranaguá mais uma vez como um porto de referência nacional”, afirmou Richa.

Valores

A dragagem emergencial dos berços de atracação custará R$ 2,5 milhões, e será paga com recursos da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa). Os trabalhos devem ser iniciados entre os dias 15 e 20 deste mês, e o prazo de conclusão dos trabalhos é de dez dias.

Richa anunciou o início dos trabalhos para a dragagem de manutenção do Canal da Galheta e da bacia de evolução do Porto de Paranaguá. Estima-se que o licenciamento ambiental necessário para a execução da obra leve três meses para ser obtido. Depois disso, serão necessários três meses para a realização da licitação e outros oito meses para a execução da obra, a um custo de R$ 100 milhões.

A terceira etapa dos projetos de dragagem anunciados pelo governador é a dragagem de aprofundamento. Para isso, será realizado um convênio com a Secretaria Especial de Portos para repasse de verbas do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) no valor de R$ 52 milhões.

Crescimento

O governador determinou ainda que a Appa dê início imediato ao estudo de viabilidade para ampliação do cais comercial do porto que passaria dos atuais 20 berços de atracação para 32 berços.

“Esta ampliação permitirá que nossa capacidade de movimentação de cargas passe das atuais 38 milhões de toneladas por ano para 60 milhões de toneladas anuais. Com isso, garantiremos renda e muito trabalho a todos”, afirmou o superintendente Airton Maron.

Durante a reunião, o governador anunciou que o porto receberá investimentos de R$ 20 milhões da empresa Cotriguaçu que construirá um silo para a armazenagem de granéis. A Appa cederá o terreno onde o silo será construído e terá capacidade para armazenar 60 mil toneladas de grãos.