Arquivo / O Estado
Arquivo / O Estado

Porto de Paranaguá: paralisação
por um dia gera prejuízos para
importadores e exportadores.

A navegação nos portos de Paranaguá e Antonina, que havia sido temporariamente suspensa pela Capitania dos Portos do Paraná, já foi restabelecida. Segundo a capitania, o problema do deslocamento das bóias de sinalização no Canal da Galheta – canal de acesso ao Porto de Paranaguá – foi sanado, e a navegação foi liberada por volta das 22h de sexta-feira. Com isso, os navios podem entrar ou sair dos portos normalmente. De acordo com a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), ontem pela manhã havia 15 navios atracados no Porto de Paranaguá e dois em Antonina. Ao largo, cerca de 25 navios estavam aguardando a vez para atracar.

Para o coordenador de operações da Companhia Libra de Navegação – uma das agências de navegação marítima que atuam em Paranaguá -, Ricardo Medeiros, não foi só a paralisação de quase 12 horas na sexta-feira – entre 10h30 e 22h, aproximadamente – que causou prejuízos. É que por conta do ciclone que passou por Santa Catarina no início da semana, deixando o mar revolto, a Capitania dos Portos do Paraná teria suspendido a navegação entre as 13h45 de segunda-feira, dia 8, e às 6h de sexta, por falta de condições de navegabilidade. Para o armador, o custo diário de um navio parado é de cerca de US$ 30 mil.

?Só nós tivemos três navios desviados. Eles operariam em Paranaguá e tiveram que ir para outros portos, como Santos (SP), Itajaí (SC) e Rio Grande?, apontou Medeiros. Com isso, a entrega das cargas deve atrasar quase uma semana. ?Clientes que receberiam no Paraná vão ter atraso de pelo menos uma semana. Até providenciarmos o transbordo para Paranaguá demora um pouco?, disse. Na sexta-feira, representantes do Sindicato das Agências de Navegação Marítima do Paraná (Sindapar) e do Sindicato dos Operadores Portuários do Paraná (Sindop) passaram a tarde discutindo o assunto.

Sobre o motivo do deslocamento das bóias de sinalização – abalroamento, mau tempo ou mesmo falta de manutenção -, Medeiros preferiu não arriscar palpite. ?Ninguém sabe ao certo o que aconteceu. A Capitania dos Portos vai verificar e fazer um laudo.?

Portaria 31

A suspensão foi determinada pela Capitania dos Portos na sexta-feira de manhã, proibindo qualquer entrada ou saída dos portos pelo Canal da Galheta, até que o problema das bóias fosse solucionado. A portaria 31, assinada pelo capitão-dos-portos Francisco dos Santos Moreira, alegou que havia falha no balizamento, comprometendo a segurança da navegação.

Segundo o capitão Francisco Moreira, três bóias de sinalização haviam se deslocado, colocando em risco a navegação no canal que liga o mar aberto à baía. Conforme Moreira, deslocamentos como o que ocorreram entre quinta e sexta – com uma das bóias passando de um lado do canal para outro – não são comuns. ?As bóias são sustentadas com peso no fundo e não se deslocam facilmente?, enfatizou.

Um dos fatores que podem ter causado o deslocamento é o mau tempo. Outra possibilidade, apontada pela Appa, é de que seis navios teriam deixado o cais do porto de Paranaguá sem autorização e que um deles teria abalroado uma das bóias. A Capitania dos Portos do Paraná deve fazer um laudo para verificar exatamente o que aconteceu.