A caderneta de poupança terminou junho com um ganho líquido de captações de R$ 2,410 bilhões. Divulgado pelo Banco Central (BC) o resultado é o melhor desde os R$ 7,432 bilhões de dezembro do ano passado. No primeiro semestre, a captação líquida da poupança atingiu a marca dos R$ 8,772 bilhões. Pela série histórica disponibilizada pelo BC em sua página na internet, este foi o melhor primeiro semestre de captações da poupança desde 1995. O melhor resultado anterior era os R$ 4,903 bilhões dos primeiros seis meses de 1997.

O crescimento da captação da poupança no mês passado ocorreu a despeito da decisão do Conselho Monetário Nacional (CMN) de aumentar o redutor da Taxa Referencial de Juros (TR) e, com isso produzir uma redução da rentabilidade dos investimentos em poupança. "O grande problema do crescimento das captações em poupança é que os bancos não conseguem destinar ao financiamento habitacional o montante exigido pelo BC", disse um analista de mercado. Pelas regras estabelecidas pelo CMN, os bancos são obrigados a destinar pelo menos 65% do saldo das aplicações em poupança em habitação.

Em junho, os depósitos totais em poupança atingiram a marca dos R$ 80,784 bilhões e os saques ficaram em R$ 78,373 bilhões. Os rendimentos creditados nas contas de poupança ao longo do mês passado chegaram aos R$ 1,194 bilhão, melhor resultado desde os R$ 1,198 bilhão alcançado em setembro de 2005. O saldo total dos investimentos em poupança terminou o primeiro semestre em R$ 203 626 bilhões. O valor já é R$ 15,690 bilhões maior que os R$ 187 935 bilhões do final de 2006.