O preço da gasolina vendida pelas distribuidoras aos postos de combustíveis está, em média, R$ 0,02 mais barato a partir desta terça, por conta do aumento de 23% para 25% na mistura do álcool anidro, em vigor desde domingo. O repasse ao consumidor será imediato e na quarta os preços devem cair o mesmo valor nos postos.

Na cidade paulista, o preço do álcool hidratado dos postos ligados às grandes distribuidoras também está em queda. Hoje, postos já comercializam o combustível há R$ 1,10 o litro, 8,33% mais barato que o R$ 1,20 cobrado até então, graças, principalmente, à redução na margem de lucro de alguns postos, já que o preço pago pelos estabelecimentos junto às distribuidoras varia de R$ 0,89 a R$ 0,91.

Apesar de pressionar a demanda em cerca de 33 milhões de litros de álcool anidro por mês, o aumento de dois pontos porcentuais na mistura à gasolina ainda não foi refletido no preço pago pelas distribuidoras às usinas. De acordo com a pesquisadora Marta Marjotta-Maistro, do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP), nesta semana o mercado ainda está calmo e o preço estável nas unidades produtoras, sem reflexos da mudança na mistura.

Na semana passada, o preço médio do álcool hidratado registrou queda de 0,59% e fechou em R$ 0,57646 o litro nas usinas paulistas, de acordo com o Cepea. Já para o anidro, a baixa foi de 1,04%, para R$ 0,66221 o litro. Mesmo com a queda, o número de negócios de anidro foi ligeiramente maior, possivelmente por conta do aumento do porcentual da mistura, de acordo com o Cepea.

Em junho, o indicador do anidro acumulou baixa de 23,6% em relação a maio, com média de R$ 0,67507 o litro (sem impostos) no período. Para o hidratado, a queda foi de 14,9%, para média mensal de R$ 0,58786 o litro (sem impostos) nas unidades produtoras.