Os preços ao produtor dos Estados Unidos aumentaram pelo terceiro mês seguido em setembro, puxados pelo aumento dos preços dos alimentos, segundo relatório divulgado hoje pelo Departamento de Trabalho. O índice de preços ao produtor (PPI) avançou 0,4% em setembro, em termos sazonalmente ajustados, na comparação com agosto, quando houve alta de 0,4%. Em julho, o índice subiu 0,2%. A alta do PPI foi levemente maior que a média das projeções dos economistas, que esperavam aumento de 0,1%.

Ainda assim, o relatório mostrou que as pressões inflacionárias continuam baixas. Excluindo os preços voláteis da energia e dos alimentos, o núcleo do PPI subiu apenas 0,1% no mês passado, depois de registrar a mesma elevação em agosto. O número veio exatamente em linha com a previsão dos analistas.

Nos 12 meses encerrados em setembro, o PPI subiu 4%, acelerando em relação à alta de 3,1% registrada em agosto. O núcleo do índice aumentou 1,6% na mesma base de comparação. Os preços dos alimentos subiram 1,2% em setembro, depois de recuarem 0,3% em agosto. A alta foi conduzida principalmente pelo aumento de 5,2% dos preços da carne. A elevação dos preços de legumes frescos e secos também contribuiu para o resultado.

Já os preços da energia avançaram 0,5% em setembro ante agosto, pelo segundo mês seguido. Os preços do gás de petróleo liquefeito (LPG) avançaram 6,1%. Os preços dos bens intermediários aumentaram 0,5% em setembro, depois de subirem 0,3% em agosto. Os preços das matérias-primas, conhecidas como bens brutos, recuaram 0,5% em setembro, após subirem 2,3% em agosto. A queda foi puxada pela baixa de 8,8% no índice de materiais de energia brutos. As informações são da Dow Jones.