O presidente do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês), Haruhiko Kuroda, afastou a possibilidade de a taxa de inflação medida pelo núcleo do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) cair para menos de 1% nos próximos meses.

“Eu não acho que o CPI vai cair para abaixo de 1%”, disse Kuroda, durante coletiva de imprensa. Alguns participantes do mercado levantaram essa possibilidade à medida que a estabilidade do yuan enfraquece a pressão positiva que havia sobre os custos de importação.

Recentemente, Kuroda alertou o mercado de que essa estabilidade do iene deve fazer com que a inflação desacelere entre os meses de julho a setembro, para então ganhar força em direção à meta de inflação de 2% no próximo ano.

Os participantes do mercado acreditam que o banco central terá que adotar novos estímulos caso a inflação caia abaixo de 1,0%. Questionado se o BoJ adotaria alguma ação de política monetária se isso acontecer, Kuroda respondeu que “nós estamos monitorando a tendência nos preços, não flutuações mês a mês”.

Ele também esclareceu que alguns membros do conselho estão mais cautelosos do que o cenário coletivo do BoJ de que a inflação será ancorada em torno de 2% no meio do período projetado, que vai do ano fiscal de 2014 ao ano fiscal de 2016. Ele não quis fornecer mais detalhes.

Kuroda ainda afirmou que as exportações provavelmente aumentarão gradualmente à medida que a demanda global ganhar força. O presidente do BoJ também reforçou que não há razão para o iene se fortalecer contra o dólar e que a valorização excessiva da moeda já foi bastante abordada pela autoridade monetária. Fonte: Dow Jones Newswires e Market News International.