O presidente Fernando Henrique Cardoso voltou a defender, hoje, a participação do Brasil na Área de Livre Comércio das Américas (Alca), enfatizando que a questão deve ser discutida do ponto de vista comercial e não da soberania nacional. Durante o discurso na abertura do XXII Encontro Nacional de Comércio Exterior, no hotel Glória, o presidente reafirmou a necessidade do Brasil participar da Alca para vender seus produtos.

O presidente considerou fundamental a continuidade das negociações ?sem medo de fantasmas, fazendo sempre uma análise pragmática para que não sejamos surpreendidos por medidas unilaterais de antidumping ou por picos tarifários ou, ainda, por subsídios que não têm condições de ser razoavelmente sustentados. Já estamos organizando o pensamento brasileiro, com os nossos empresários, técnicos, negociadores e com o setor produtivo para que tenhamos a capacidade de poder dizer sim e não de acordo com os interesses comerciais do país?.

Para o presidente, o Brasil tem que encarar a Alca como já faz com o Mercosul e, também com as negociações com a União Européia. Segundo ele, o Brasil tem tido persistência na busca de outros mercados e citou, como exemplo, os acordos bilaterais com o Chile, considerado por ele como marco pela busca da expansão de mercados para a produção brasileira.