O Ministério da Previdência já pensa em rever a projeção de déficit deste ano, que era estimada em R$ 38,5 bilhões, para R$ 39,3 bilhões. Um dos motivos é que os gastos com pagamento de sentenças judiciais está acima do previsto. As despesas com esse tipo de gasto já atingiram R$ 3,5 bilhões até outubro, acima dos R$ 3,4 bilhões esperados pelo governo para todo o ano. A estimativa é que eles fechem o ano em R$ 4,2 bilhões.

?Isso é uma coisa que está fora do nosso controle?, afirmou o secretário de Previdência Social, Helmut Schwarzer.

A maior parte desses pagamentos é de correção das aposentadorias pelo IRSM (índice de reajuste do salário mínimo). O governo tentou fazer um acordo para pagar parcelado esse passivo referente à conversão da URV, mas somente metade dos beneficiários aderiu à proposta.

A Previdência fechou o mês de outubro com um rombo de R$ 3,13 bilhões, causado principalmente por uma redução na arrecadação, conseqüente de uma estagnação da economia no terceiro trimestre e no mercado de trabalho, além do aumento dos desembolsos com sentenças judiciais, explicou Schwarzer.