A coordenadora do Procon-PR, Ivanira Gavião Pinheiro, apresentou ontem a campanha “Consumo Consciente”, para orientar a população sobre seus direitos e deveres nas relações de consumo.

O lançamento foi durante a comemoração do Dia Internacional do Consumidor, na Boca Maldita, centro de Curitiba. A campanha será desenvolvida pelo órgão durante o ano todo.

“Planejar gastos, pesquisar preços, não comprometer o orçamento doméstico com financiamentos que podem levar à inadimplência, obter informações sobre fornecedores, produtos e serviços são pontos básicos que devem ser observados pelo consumidor consciente”, enfatiza a Coordenadora do Procon-PR.

Na comemoração, técnicos do Procon atenderam, entre 9 e 17 horas, as pessoas que circulavam no local, com informações e distribuição de material com orientações sobre a campanha.

Parceiros no evento, Copel, Sanepar, Ipem, Detran, ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) e a Secretaria Estadual da Saúde, também prestaram atendimento ao público nas suas áreas de atuação.

Balanço

A Coordenadora do Procon falou sobre as atividades do órgão, informando que em 2008 foram realizados 158 mil e 223 atendimentos, entre orientações telefônicas (mais de 94 mil), atendimentos pessoais (32 mil), e-mails de todo o Brasil (29 mil), e audiências (mais de 13 mil).

Além das reclamações e informações em todas as áreas, foram prestados esclarecimentos em relação a portabilidade telefônica e sobre as novas regras dos SACs (Serviço de Atendimento ao Consumidor), de empresas com serviços regulados pelo governo federal.

A média foi de 625 atendimentos por dia e a telefonia (fixa e celular), foi o assunto com o maior número de reclamações. Em segundo lugar vem os bancos e na sequência financeiras, compra de veículos e cartão de crédito.

“Apesar do serviço de telefonia liderar novamente o ranking”, explica Ivanira, “foram os problemas com aparelhos celulares, com mais de 6 mil queixas, que mais aborreceram os consumidores em 2008”.

O Procon-PR é um órgão vinculado à Secretaria de Justiça e tem também sob sua responsabilidade 38 ações civis públicas propostas para garantir os direitos dos consumidores.