A quantidade de empresas que buscou crédito cresceu 10,4% em maio na comparação com abril e 6,2% em relação ao mês de maio de 2010, de acordo com o Indicador Serasa Experian da Demanda das Empresas por Crédito, divulgado hoje. Segundo a entidade, o motivo das altas é a maior quantidade de dias úteis em maio de 2011 em relação a abril (22 ante 19) e a maio de 2010 (22 ante 21 em maio do ano passado).

No acumulado de janeiro a maio deste ano, a demanda das empresas por crédito cresceu 1,1% em relação ao mesmo período do ano passado, menos do que o visto naquele período (alta de 10,8%) e do que em todo o ano passado (alta de 7,6%).

Em nota, a Serasa Experian diz que “a menor velocidade de crescimento da demanda das empresas por crédito em 2011 já é reflexo das sucessivas elevações da taxa básica de juros (Selic), resultando no encarecimento do custo do crédito, e das perspectivas de desaceleração do ritmo de crescimento econômico”.

Entre as micro e pequenas empresas, a procura por crédito aumentou 11% em maio na comparação com abril, enquanto entre as médias e grandes a busca teve expansão menor: 0,6% nos dois casos. Apenas as médias empresas registram queda na demanda por crédito no acumulado de janeiro a maio de 2011, “afetadas mais intensamente pelo cenário internacional ainda bastante adverso e pelo câmbio valorizado”, informa a Serasa Experian.

Em relação aos setores, a demanda das empresas por crédito em maio foi puxada por Serviços (11,5%), seguido de Indústria (9,7%) e Comércio (9,6%). No ano, o setor de Serviços, menos impactado pela concorrência internacional e pela alta dos juros internos, apresenta alta de 3,6% na demanda por crédito.

Na análise por regiões brasileiras, a entidade registrou aumento na demanda por crédito das empresas em maio ante abril em todas elas, sendo as maiores altas na Norte (11,4%) e Nordeste (11,3%), seguidas de Sudeste (10,6%), Sul (9,5%) e Centro-Oeste (9,4%). Apenas a Região Norte tem queda, de 3,3%, no acumulado de janeiro a maio em relação ao mesmo período de 2010.