Brasília – A safra do café beneficiado 2007/2008 foi de 33,7 milhões de sacas de 60 quilos, 20,6% a menos que a produção da safra anterior que foi de 42,5 milhões de sacas, segundo números divulgados hoje (14) pelo Ministério da Agricultura e a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

A queda na produção já era esperada desde o início do ano, devido às estimativas do comportamento climático.

A área cultivada em 2007 foi de 2,3 milhões de hectares sendo que 2,1 milhões de hectares estão em produção e 192,6 mil hectares estão em fase de formação de lavoura. Das 33,7 milhões de sacas desta safra, 23,5 milhões são da variedade arábica e 10,3 milhões do tipo robusta ou conilon.

De acordo com o diretor do Departamento do Café, da Secretaria de Produção e Agroenergia do Ministério da Agricultura, Lucas Tadeu Ferreira, apesar da queda da produção este ano, o mercado está garantido tanto para o consumo interno quanto para exportação.

Ele previu que no próximo ano a safra deverá ser melhor e a primeira estimativa será divulgada no dia 8 de janeiro, com base em levantamento da Conab e do IBGE.

Este ano, houve queda de produção principalmente na Zona da Mata e sul de Minas Gerais, com melhora na produção em Rondônia e em São Paulo.

O diretor da Conab, Silvio Porto, disse que no momento o mercado está vivendo o menor estoque de passagem de safra, mas assegurou que o mercado interno e os contratos de exportação assumidos pelo Brasil vão ser cumpridos.

A maior colheita deste ano foi em Minas Gerais, responsável por 15,5 milhões de sacas, equivalente a 45,9% da produção total do país, o maior produtor nacional de café da categoria arábica. O Espírito Santo ficou em segundo lugar, com a produção de 9,6 milhões de sacas, correspondente a 28,4% da produção nacional, o estado maior produtor da categoria robusta. Já o estado de Rondônia produziu 1,5 milhão de sacas do tipo robusta, com crescimento de 17,3% em relação à safra anterior.