A produção de frangos de corte no Paraná atingiu no mês de agosto o seu melhor desempenho de produção em um único mês do ano: foram 90.281.108 cabeças, uma alta de 15,48% em comparação ao mesmo período do ano passado. Esta performance positiva levou o acumulado do ano a também chegar a um nível nunca antes atingido na história da indústria avícola paranaense. Entre janeiro e agosto deste ano, foram produzidas 659.769.865 unidades, registrando o crescimento de 8,19% ante igual período de 2004.

Com este desempenho, o Paraná se mantém liderando o ranking da produção nacional de frango de corte. Segundo dados da Apinco, o Estado responde por 22,43% do alojamento de pintos no país, seguido por Santa Catarina (17,%), São Paulo (16%) e Rio Grande do Sul (15%).

O presidente da Avipar, Alfredo Kaefer, avalia que a quebra de mais estes recordes na avicultura paranaense é um reflexo do trabalho de planejamento e estruturação mantidos pelas empresas. Kaefer destaca que a indústria tem investido para atender a demanda do mercado por produtos de alta qualidade. ?Além disso o Estado reúne as melhores condições para a criação de frango, como oferta de grãos em abundância, condições ambientais favoráveis e infra-estrutura para o escoamento da produção o que permite ampliar a produção avícola de forma equilibrada?, destaca.

Exportação

A exportação de frango de corte também vive um bom momento no país. Entre janeiro e agosto deste ano, as vendas brasileiras ao mercado internacional somaram US$ 2.181.993.630, contra US$ 1.707.080.621 do mesmo período do ano anterior, expansão de 27,82%. Esta alta teve como influência principal o desempenho verificado pelas exportações paranaenses, que avançaram 28,33%, a maior variação do ano entre os estados exportadores. Com isso, o total da receita paranaense entre janeiro e agosto foi de US$ 90.335.291, contra US$ 76.042.726 do mesmo período do ano de 2004.

Kaefer destaca que estes índices demonstram que está havendo uma recuperação de preços do frango brasileiro no mercado internacional. Entretanto, alerta que apesar dos números positivos, o setor vê com preocupação a atual paridade dólar x real, que tem se mantido em nível desfavorável à indústria brasileira, trazendo prejuízos à competitividade da produção nacional. ?Vejo que o Paraná, por contar com uma grande base de indústrias, com 31 unidades, das quais 80% delas habilitadas à exportação, tem amplas condições de atender às demandas do mercado externo e interno. Porém, uma queda ainda maior do dólar pode causar problemas e desequilíbrio para nossa cadeia produtiva?, afirma.

Desta forma, o Paraná está na segunda posição entre os estados exportadores de frango, com 25,98% do total. Este ranking é liderado por Santa Catarina, que responde por 30,68% deste mercado, somando US$ 102.475.379 em receita. Já Rio Grande do Sul responde pela terceira posição das exportações nacionais de frango de corte com 25,05% do comércio brasileiro desta commodity, tendo movimentado US$ 69.188.640.

No mês de agosto, as exportações brasileiras de frango de corte também se comportaram em crescimento, avançando de US$ 252.807.209 para US$ 338.543.977, alta de 33,91%. Já o Paraná registrou o crescimento de 18,79%, passando de US$ 76.042.726 para US$ 90.335.291. Este foi o segundo melhor desempenho entre os estados brasileiros.