O principal impacto de alta na produção industrial brasileira em setembro ante igual mês do ano passado (5,6%) foi dado por veículos automotores (23,2%), seguido de máquinas e equipamentos (17,7%), máquinas e aparelhos e materiais elétricos (17,5%), refino de petróleo e álcool (6,6%) e outros equipamentos de transporte (28,8%, com influência sobretudo do segmento de aviões).

Os maiores impactos de queda na comparação com igual mês do ano passado vieram de celulose e papel (-7,5%), material eletrônico e de comunicações (-1,7%) e fumo (-15%).