A Agência Internacional de Energia (AIE) disse que a produção de petróleo do Brasil, após se aproximar dos 1,8 milhão de barris diários no quarto trimestre de 2006, tem "sofrido para manter tais níveis em boa parte de 2007".

Segundo a agência, paralisações planejadas ou não em unidades de produção existentes, aliadas aos atrasos em novos projetos, reduziram a produção. Por isso, a agência disse que a produção de setembro ficou 50 mil barris diários abaixo de sua previsão, em 1,73 milhão de barris. Dados preliminares de outubro mostram a produção "em marcha lenta" com cerca de 1,75 milhão de barris diários.

"Entretanto, espera-se que um crescimento renovado se materialize após o início das operações em novembro da unidade P-52 no campo de Roncador e da nova embarcação de produção e estocagem no campo Golfinho", disse a AIE. "Juntamente com a recém iniciada instalação P-54 em Roncador, essas unidades, combinadas, poderão gerar um crescimento de 400 mil barris diários na produção em 2008".

Com isso, a entidade prevê que a produção brasileira no segundo semestre de 2008 registrará uma média de 2,1 milhões de barris. "Embora, claramente, uma derrapada desse programa ambicioso de crescimento continua sendo uma possibilidade caso os atrasos de 2007 sejam repetidos", alertou.