A produção industrial paranaense teve um aumento de 1,1% em março deste ano, na comparação com o mês anterior. Foi o sexto melhor resultado entre as catorze regiões pesquisadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatístca (IBGE), que nesta terça-feira (10) divulgou a Pesquisa Industrial Mensal. Os estados que ficaram na frente do Paraná foram Bahia (com crescimento de 7%), Ceará (2%), Rio Grande do Sul (1,9%), São Paulo (1,6%) e Espírito Santo (1,6%). Outro destaque foi a Região Nordeste do País, que teve alta de 6,2% na produção industrial. A média brasileira foi de expansão de 0,5%.

As taxas negativas foram registradas no Amazonas (-8,9%), Pará (-4,6%), Rio de Janeiro (-3,8%), Permambuco (-2,2%), Santa Catarina (-1,2%), Goías (-0,6%) e Minas Gerais (-0,1%).

No primeiro trimestre deste ano, o Paraná teve uma expansão de 5,7% na comparação com o trimestre anterior, no final de 2010. No acumulado do ano, a produção industrial teve alta de 4,8%. No entanto, na comparação do resultado específico de março de 2011 com o mesmo mês do ano passado, o Paraná apresentou a terceira maior queda entre as catorze regiões pesquisadas: -8,9%. Superou bastante a média nacional, também teve índice negativo, mas de –2,1%.

De acordo com o IBGE, dez dos catorze locais pesquisados apresentaram retração na comparação de março de 2011 com março de 2010. Isto seria reflexo do “efeito calendário”, pois março deste ano teve dois dias úteis a menos do que o mesmo mês do ano passado. As maiores quedas aconteceram no Amazonas (-14,6%) e no Ceará (-9,9%). Também houve diminuição no Pará (-8,2%), Pernambuco (-7,3%), Santa Catarina (-4,7%), Bahia (-3,7%) e na Região Nordeste (-3,6%), além dos estados de Goiás (-1,4%) e Rio de Janeiro (-0,4%). Ainda nesta comparação, Espírito Santo teve o crescimento mais significativo, com 10,5%, seguido por Minas Gerais (2%), São Paulo (1,2%) e Rio Grande do Sul (0,9%).

Na relação entre o primeiro trimestre de 2011 e primeiro trimestre de 2010, houve crescimento em sete dos catorze locais pesquisados, entre eles, o Paraná, que teve o segundo melhor resultado (4,8%), ficando atrás apenas do Espírito Santo (11,3%). Os outros resultados positivos aconteceam em Minas Gerais (4,5%), São Paulo (3,8%) e Rio de Janeiro (2,7%).

De acordo com o IBGE, a diminuição no ritmo de crescimento do setor industrial, já observada em índices nacionais, teve reflexo na maior parte dos locais pesquisados. As reduções mais significativas aconteceram em Goiás, Pará, Amazonas, Permanbuco e na Região Nordeste. A maior expansão ocorreu no Espírito Santo.