A valorização do real em relação ao dólar diminuiu a competitividade dos produtos brasileiros e tem levado à substituição de produtos nacionais por importados no mercado doméstico. Em alguns setores, a entrada das importações já provoca queda na produção. É o que afirma um estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI), obtido com exclusividade pelo Estado. O trabalho mostra que o crescimento do consumo vem sendo atendido, cada vez menos, pela indústria nacional e, cada vez mais, pelo aumento dos produtos importados.

"A demanda tem crescido, mas essa demanda nova tem sido atendida pelos importados", resume o economista Paulo Mol, da CNI. Ele avalia que o vigor da atividade industrial nos últimos meses poderia ser maior se o aumento da demanda estivesse sendo atendido pela indústria nacional. A produção física da indústria de transformação cresceu 4,4% de janeiro a maio deste ano ante o mesmo período de 2006, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Por outro lado, o aumento da quantidade importada foi cinco vezes maior: 22,1%.

A indústria de transformação, historicamente, lidera o crescimento da economia em períodos de expansão significativa da demanda interna. Segundo a CNI, a demanda cresceu mais de 4% em 1993, 1994, 2000, 2004 e 2006 e, com exceção do ano passado, a indústria de transformação cresceu tanto ou mais do que isso. Em 2006, no entanto, o setor industrial cresceu 1,6%, e o consumo interno, 5,1%. Este quadro se mantém em 2007.