Brasília (ABr) – O ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rosseto, afirmou ontem que o governo não pretende selar um acordo de livre comércio entre Mercosul e União Européia que aceite a importação de produtos subsidiados, especialmente na área agrícola. “Este é um ponto fundamental de coerência com a nossa política internacional”, disse.

Rosseto disse que o prazo para concluir as negociações do acordo – previsto para o dia 31 de outubro – deve estar subordinado aos interesses do País. “Temos uma posição crítica em relação às enormes limitações oferecidas pelos negociadores europeus”, observou o ministro.

Miguel Rosseto se reuniu ontem com o ministro de Relações Exteriores, Celso Amorim, e com representantes da Via Campesina – organização que reúne movimentos sociais ligados aos pequenos produtores e trabalhadores sem terra – e da Central Única dos Trabalhadores (CUT).

No mês passado, as duas entidades divulgaram documentos com críticas à proposta apresentada pelo Mercosul, especialmente no que diz respeito à decisão do bloco econômico de liberar 90% das importações provenientes da União Européia, sobretudo nos setores agrícola e agroindustrial. Segundo Celso Amorim, o governo tem a preocupação de não prejudicar produtores da agricultura familiar.