Rio (AE) – A Petrobras está apostando na clonagem de projetos já existentes para acelerar ao máximo possível a implementação de todas as obras necessárias para colocar dentro do prazo programado seu Plano de Antecipação da Produção de Gás, o Plangás. Pelos planos traçados pela estatal, a oferta de gás natural nacional no mercado interno teria que saltar dos atuais 15,5 milhões de metros cúbicos, por dia, para 40 milhões até 2008.

Os investimentos de US$ 8 bilhões durante este período prevêem um pacote de obras que inclui da construção de terminais de tratamento de gás, a gasodutos submarinos e terrestres, além do afretamento de plataformas. ?A idéia é não reinventar a roda. Vamos utilizar toda nossa experiência em projetos já implantados para não perder tempo em novas experimentações conceituais?, afirmou o gerente de engenharia da área de serviços da estatal, José Barusco.

Segundo ele, um dos projetos que podem ser ?clonados? é a unidade de tratamento de Cacimbas. Uma nova planta exatamente igual a ela será construída ao lado, dobrando a capacidade no local, com investimentos de US$ 685 milhões. ?Ganharemos tempo e com isso tentaremos cumprir os prazos apertados que nos propusemos?, comentou.

Outra inovação que a estatal planeja para antecipar seus planos para o gás nacional é a utilização de dois navios-plataformas ?genéricos?. As embarcações serão construídas num prazo recorde de dois anos, e posteriormente fretadas pela Petrobras com opção de compra em meados do contrato. A vantagem destas plataformas é que, apesar de elas começarem a operar inicialmente em dois campos de gás no Espírito Santo, poderão atender a outros campos no futuro. ?Ainda não sabemos qual é o volume exato de reservas nestes dois campos e sequer declaramos a comercialidade deles ainda. Fretar plataformas genéricas nos permite começar a trabalhar com elas num tempo mais curto e, se for o caso, reavaliarmos o projeto e até substituí-las por outras unidades próprias no futuro?, explicou Barusco.

Segundo ele, o cronograma da Petrobras prevê para o mês de outubro a conclusão de três projetos conceituais: para a construção do terminal de escoamento de GLP Barra do Riacho (com dois dutos) e investimentos de US$ 100 milhões; para a ampliação do terminal de Ilha Redonda (mais dois dutos) e ainda o Terminal de Ilha Comprida, para GLP, ambos com investimentos totais de US$ 132 milhões.