Os três primeiros projetos de biodiesel da Petrobras, atualmente em fase de implementação, deverão entrar em operação no quarto trimestre deste ano, segundo disse hoje o gerente executivo de desenvolvimento energético da empresa, Mozart Schmitt de Queiroz. De acordo com ele, os três projetos têm capacidade de 170 milhões de litros ao ano e estão sendo instalados na região do semi-árido, em Minas Gerais, Pernambuco e Bahia. Segundo o executivo, a estatal está trabalhando junto com a Ford em um veículo movido a biodiesel com 100% de mamona e em um outro com biodiesel com 100% de soja.

No que diz respeito ao etanol, um dos problemas do produto, apesar dos seus méritos ambientais, é a questão da monocultura. Por isso, a empresa está implantando um modelo de microdestilarias com uma cooperativa agrícola do Rio Grande do Sul, de produção descentralizada de álcool integrada com a produção de alimentos. Segundo ele, a idéia é que parte da propriedade seja cultivada com cana e outra com alimentos e/ou animais.

Queiroz disse que o projeto gaúcho está em fase de testes preliminares e será feita uma análise de viabilidade econômica, até o final deste ano, para checar a perspectiva de implantação de empreendimentos semelhantes em outras regiões.

O executivo fez palestra no seminário "Biocombustíveis e mudanças do clima", realizado na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).