Quase 70% dos entregadores de aplicativos são pretos ou pardos e ganham, em média, R$ 1.170 por mês. É o que revela uma pesquisa sobre as condições de trabalho no setor, encomendada pela Central Única dos Trabalhadores e pela Organização Internacional do Trabalho, que será divulgada nesta sexta (17).

Segundo o estudo, feito por pesquisadores da Universidade de Brasília e da Universidade Federal da Paraíba em Brasília e no Recife durante 18 meses, mais de 90% dos entregadores são homens, e a maioria tem 30 anos de idade ou menos.

LEIA TAMBÉM:

>> “Somos palhaços pra trabalhar de graça?”, reclama fiscal de concurso da Polícia Civil que ficou no calote

>> Greve de ônibus em Curitiba: Decisão de motoristas e cobradores sai nesta quarta

O valor líquido recebido por hora trabalhada para os aplicativos de entrega gira em torno de R$ 5, de acordo com o levantamento, mas os pesquisadores encontraram casos de entregadores que recebem R$ 0,59 pelo mesmo tempo, trabalhando sete dias por semana.

“A pesquisa revela as estratégias das empresas para aumentar seus lucros às custas da precarização das condições de trabalho dos entregadores”, diz Ricardo Festi, professor da UnB, que trabalhou na pesquisa. “Os rendimentos são baixíssimos e as jornadas estão acima de 12 horas diárias.”

Segundo Sérgio Nobre, presidente da CUT, os dados devem ser usados para formular propostas de representação da categoria, que cresceu com o avanço do desemprego e da informalidade na pandemia.

Nova novela

Conheça o elenco principal de “Poliana Moça”

Quanto Mais Vida, Melhor

Flavia/Guilherme se esconde no bar de Teca

Além da Ilusão

Davi pede desculpa a Isadora por tê-la beijado

Confira!

John Wick 2 e mais filmes e séries chegam nesta semana na Netflix