A partir de 1º de julho as empresas que exportam carne bovina para os países que integram a União Européia terão de adquirir animais para abate de propriedades que integrem o Sistema Brasileiro de Identificação e Certificação de Origem Bovina e Bubalina (Sisbov). Em solenidade realizada hoje (18) no Ministério da Agricultura, o ministro Marcus Vinícius Pratini de Moraes entregou o certificado de habilitação às quatro empresas que irão atuar inicialmente no programa: Planejar (RS); Gênesis (PR); Certificações Brasil (SP); e Serviço Brasileiro de Certificação (SP). Na próxima semana, mais três empresas deverão ser habilitadas.

O Sisbov foi lançado em janeiro pelo Ministério da Agricultura e permitirá a identificação individual de cada animal, além de uma série de informações desde a sua origem até o momento em que ingressa no frigorífico. A rastreabilidade bovina foi uma exigência da União Européia – cujos países já adotam este tipo de controle – para que o Brasil possa continuar exportando carne bovina. A razão principal é o temor de doenças como a vaca louca (Encefalopatia Espongiforme Bovina). A adesão ao Sisbov é voluntária e as despesas com a certificação serão bancadas pelos produtores. O custo por animal varia entre R$ 3 50 a R$ 4,00.